Vouzela terá centro de demonstração de tecnologia inovadora de produção de energia




Vouzela vai ter um centro de demonstração de uma tecnologia que permite produzir energia limpa todos os dias do ano, sem depender das condições climatéricas e sem ocupar muito espaço, cuja primeira pedra foi lançada na passada terça-feira.

“Estamos em presença de um projeto-piloto, demonstrador, de produção de energia limpa, todo ano”, disse aos jornalistas a ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, acrescentando que o objetivo é produzir energia “com base numa tecnologia assente nuns tubos que são enterrados no solo”.

No Centro de Demonstração de Tecnologia Energética de Vouzela – um investimento totalmente privado, cujo valor não foi revelado – será aperfeiçoada uma tecnologia alemã.

“Se se demonstrar que é possível escalar e multiplicar este projeto, os empresários têm previstos outros investimentos em territórios do interior, o que para nós é claramente uma vantagem”, frisou.

Ana Abrunhosa apontou a vantagem de ser preciso pouco espaço: “para produzir a mesma quantidade de energia, enquanto na energia solar é preciso um campo de futebol, aqui é preciso meia baliza”.

Segundo a ministra, existe também a vantagem de serem “projetos ideais para territórios de baixa densidade”, tendo-se os empresários comprometido a ceder parte da energia produzida para edifícios públicos, instituições particulares de solidariedade social e população local.

“Podemos ter o concelho de Vouzela alimentado, a não gastar um cêntimo em energia e a gastar apenas energia limpa com base numa fonte sustentável”, realçou a governante, acrescentando que vai “acompanhar e aguardar com expectativa” o desenvolvimento do projeto, cujos primeiros resultados devem ser conhecidos “nos próximos dois anos”.

Este projeto de iniciativa empresarial está a ser acompanhado pela Direção-Geral de Energia e Geologia e pelo Instituto Superior de Engenharia do Porto.

O presidente da Câmara de Vouzela, Rui Ladeira, mostrou-se convicto de que se trata de “um projeto com potencial de alavancagem do concelho, da região e do país”.

O autarca frisou quer a “criação de emprego qualificado para a operação em si”, quer a possibilidade de ser criado um “cluster industrial de fabrico de componentes para este tipo de projetos tecnológicos”.

“Vamos acompanhar a evolução deste projeto-piloto e deste centro demonstrativo, esperando alcançar os bons resultados que todos ambicionamos”, acrescentou.




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Facebook