Peritos alertam para a necessidade de preservação da biodiversidade dos oceanos





Um grupo internacional de 150 investigadores alertou hoje para a necessidade de preservação do genoma dos recursos marinhos oceânicos com potencial para aplicações biotecnológicas de interesse comercial, mas atualmente ameaçados.

“É importante, por um lado, preservar a biodiversidade que permite esta variedade genética, mas ao mesmo tempo olhar para o oceano como tendo valor económico”, disse à Lusa Adelino Canário, investigador e diretor do Centro de Ciências do Mar (CCMAR) da Universidade do Algarve (UAlg).

O investigador é um dos autores do artigo “O genoma oceânico: conservação, uso justo, equitativo e sustentável dos recursos genéticos marinhos”, juntamente com outros especialistas internacionais e que integra também Narcisa Bandarra, do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Este trabalho serve de base a uma conferência ‘online’ que se realiza hoje no ‘site’do World Resources Institute, com os autores principais, que irão responder às questões mais relevantes sobre o tema “Genoma Oceânico: desafios e oportunidades”.

Os especialistas apontam o excesso de exploração, a perda e degradação de habitats, a poluição e o impacto das alterações climáticas como algumas das ameaças ao genoma oceânico, que compreende os recursos genéticos presentes em toda a biodiversidade marinha e que os investigadores consideram ter um elevado potencial para aplicações biotecnológicas com interesse comercial.

“Do ponto de vista da biotecnologia é importante conhecer estes organismos e saber que substâncias produzem – uma informação que faz parte do seu genoma – das quais pode ser possível tirar algum valor, retirando alguns compostos e obter produtos úteis para a sociedade” adiantou.

Quando falam de genoma oceânico, os especialistas referem-se “a toda a vida do oceano, desde os micróbios às baleias. É basicamente o que está no ADN destes organismos que têm um valor enorme para a biodiversidade”, descreveu o investigador.

A biodiversidade baseia-se “nas variações que existem ao nível do ADN”, sendo que as populações “variam entre elas porque têm diferenças no ADN” o que significa que “mais facilmente de adaptam às alterações ambientais”.

Os  peritos propõem a criação de áreas marinhas protegidas “que abranjam 30% dos oceanos” e um apoio para uma “maior equidade na investigação e transferência de conhecimento de genómica”.

Paralelamente, defendem, é preciso garantir que as normas de propriedade intelectual “sustentam o equilíbrio e partilha de conhecimento” e assegurar uma “avaliação dos riscos e benefícios de novas tecnologias e práticas de biologia molecular aplicadas ao ambiente marinho”.

Reivindicam, ainda, “um maior apoio financeiro e político para melhorar o conhecimento do genoma oceânico e a sua partilha”.

Adelino Canário defendeu também que a conservação dos recursos é importante mas “não pode ser encarada apenas como um impedimento”, porque as áreas protegidas “permitem que haja um refúgio da biodiversidade”.

Para o investigador, é possível a coexistência de atividades económicas na periferia das áreas protegidas, muitas vezes com uma “produtividade maior” do que aconteceria “se não houvesse essa proteção”.

“Portugal tem bons exemplos de compromisso entre a conservação e a exploração quer na costa continental, quer nos Açores, até com reconhecimento a nível internacional”, exemplificou.

Segundo o investigador, ”criar áreas protegidas não significa uma perda de dinheiro, mas antes um investimento”.

O artigo agora publicado pelos peritos do High Level Panel (HLP) é parte integrante de um relatório com 19 capítulos, reunindo 150 investigadores a nível internacional que “analisam a questão do ponto de vista legal, biológica, económico”, concluiu.

Faz parte de uma série de 16 ‘Blue Papers’, que serão publicados até junho de 2020 e que resumem as mais recentes inovações científicas sobre soluções oceânicas inovadoras nas áreas de tecnologia, política, governança e finanças.




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Facebook