Patrícia Portela deixa direção artística do Teatro Viriato em Viseu




A artista e escritora Patrícia Portela deixou, na segunda-feira, de ser diretora artística do Teatro Viriato, anunciou hoje o Centro de Artes do Espetáculo de Viseu (CAEV).

“O CAEV procederá a uma consulta para a seleção da nova direção artística, cujo procedimento será desenvolvido em breve”, acrescenta a entidade responsável pela gestão e programação do Teatro Viriato, num curto comunicado.

Segundo o CAEV, Patrícia Portela deixou definida a programação artística do Teatro Viriato até ao final deste ano.

A artista, que vivia entre Portugal e Bélgica, fixou-se em Viseu a 01 de março de 2020, substituindo Paula Garcia na direção artística do Teatro Viriato.

“O CAEV agradece a Patrícia Portela o trabalho desenvolvido nestes dois anos, num contexto tão difícil como o que atravessámos”, acrescenta o CAEV, aludindo à pandemia de covid-19, que obrigou a constantes ajustamentos no funcionamento do teatro devido às restrições.

Quando anunciou o nome de Patrícia Portela, em fevereiro de 2020, o CAEV caracterizou-a como uma “profunda conhecedora do Teatro Viriato e uma das artistas que tem marcado presença assídua na sua programação”, além de ser também “reconhecida nacional e internacionalmente pela singularidade da sua obra”.

Patrícia Portela criou espetáculos como “Flatland, Wasteband”, “Por Amor” e “Parasomnia” e é autora de várias obras literárias.

Em Viseu, uma das mudanças feitas por Patrícia Portela foi a do nome do festival de dança “New Age, New Time”(NANT), rebatizado “Novas Ações, Novos Tempos”. Também foi mudada a data do festival, de novembro para janeiro.

Apesar do contexto de pandemia, Patrícia Portela apostou sempre em convocar a presença do público, quer presencialmente, quer virtualmente (através dos “subpalcos” virtuais).

Numa tentativa de estar mais próximo do público, no ano passado, o Teatro Viriato abriu um espaço num centro comercial da cidade, denominado Meia Dose, para apresentar pequenas ‘performances’, livros, conversas, vídeos e exposições.

Enquanto autora do projeto artístico em vigência (financiado pela Direção-Geral das Artes e pela Câmara de Viseu), Paula Garcia manteve-se como presidente da direção do CAEV. Entretanto, assumiu a coordenação da equipa de missão da candidatura de Évora a Capital Europeia da Cultura 2027.




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Facebook